Centro de Tecnologia terá novo bacharelado em Engenharia de Computação

23 de julho de 2014

O Conselho Universitário aprovou o projeto pedagógico do curso de Engenharia de Computação, nova graduação do Centro de Tecnologia da UFC na tarde de ontem. No Sistema de Seleção Unificada (Sisu) deste ano, serão ofertadas 60 vagas. O curso é integral e terá duração de cinco anos.

Engenharia de Computação e Engenharia de Telecomunicações são novos bacharelados formalizados neste ano a partir da ramificação do curso de Engenharia de Teleinformática, que, há cerca de dez anos, gradua engenheiros nessas duas ênfases. Com esta segmentação, os estudantes terão a possibilidade de ingressar em formações específicas aos seus interesses e aptidões. Na grade curricular estão inclusos tópicos como: Modelagem, Análise e Simulação de Sistemas; Paradigmas de Programação, Informática, Eletrônica Analógica e Digital.

As articulações para estruturar o curso surgiram entre os professores do Departamento de Teleinformática há cerca de dois anos. Desde janeiro, uma comissão formada por cinco professores do DETI e cinco do Departamento de Computação da UFC elaboraram o projeto pedagógico que foi submetido aos Conselhos Superiores da Universidade e aprovado em última instância ontem na reunião do CONSUNI.

Uma das justificativas para a criação do novo curso é a demanda do mercado de trabalho por profissionais que dominem essas expertises. “Nós vemos a criação deste curso como uma evolução natural da ênfase em Computação dentro do curso de Teleinformática”, afirma o presidente da comissão da elaboração do projeto , professor Danielo Gonçalves Gomes. Segundo ele, a partir de 2015 os atuais graduandos em Engenharia de Teleinformática poderão migrar para o novo curso. O corpo docente será composto por 15professores do Departamento de Teleinformática e 15 do Departamento de Computação e disporá de 31 laboratórios.

O profissional de Engenharia de Computação tem respaldo legal na resolução nº 380  do Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (CONFEA), que discrimina as competências como análise de sistemas computacionais . A resolução Nº 218 confere aos engenheiros a permissão para realizar supervisão, coordenação e orientação técnica; Vistoria, perícia, avaliação, arbitramento, laudo e parecer técnico, ensino, pesquisa, análise, experimentação, entre outras atividades.

Orientações aos graduandos

O parecer do CONSUNI assegura aos atuais graduandos a opção de concluir o curso ou migrar para os currículos em que se subdividiu o seu curso. Segundo o coordenador do curso diurno da Teleinformática, professor George Thé, os alunos já estão cientes da extinção do curso e vem sendo orientados sobre o processo de migração. “Pensamos, desenhamos e concebemos uma forma de haver equivalência nas matrizes curriculares”, afima ele.

No final deste mês, as coordenações dos cursos diurno e noturno irão reunir seu alunado para novamente apresentar-lhes as opções existente, a partir de então, serão iniciados os encaminhamentos à Pró-Reitoria de Graduação. “Haverá um tempo para que o aluno estude as possibilidades e amadureça sua decisão”.

Histórico

O curso de Engenharia de Teleinformática iniciou sua primeira turma há dez anos e recebia anualmente 110 ingressantes, 60 no curso diurno e 50 no curso noturno.

Fonte: http://www.ufc.br/noticias/noticias-de-2014/5317-centro-de-tecnologia-tera-novo-bacharelado-em-engenharia-de-computacao e http://www.ufc.br/noticias/noticias-de-2014/5078-nova-graduacao-em-engenharia-de-telecomunicacoes-sera-apresentada-no-ct-quer-voce